selo ufrj70

Selo comemorativo dos 70 anos da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, eleito pela comunidade acadêmica da UFRJ (corpo docente, corpo discente e funcionários técnico-administrativos) para aplicação em diversas mídias. 

Fonte: Behance

selo ufrj90

Para celebrar nove décadas de existência, a UFRJ prepara diversas atividades e produtos que serão marcantes no calendário acadêmico. A Coordenadoria de Comunicação da UFRJ (Coordcom) desenvolveu um selo comemorativo, que buscou a unidade e a personalização através de uma combinação tipográfica. O objetivo foi criar algo elegante, legível e sinuoso.

O logo contém as informações que representam o passado (1920), o presente (2010) e o futuro (2020). Destacam-se a história e a importância dos 90 anos da UFRJ, bem como se reforçam os horizontes apontados pelo plano diretor da instituição para os próximos anos.

A marca não tem uma paleta de cores fechada, e isso possibilita a aplicação de diversas formas e processos aos materiais (impressos ou virtuais), como foi feito no calendário 2010 da UFRJ, que utilizou um processo chamado hot stamp, em dourado. No entanto, a tendência é empregar o azul, cor adotada tradicionalmente pela universidade em todas as peças gráficas.

Fonte: Site Oficial da UFRJ

50anos golpe militar

Em reunião no dia 27/3, o Conselho Universitário (Consuni) da UFRJ aprovou a criação do Ano da Memória e Verdade da universidade, compreendido entre os dias 1º/4 de 2014 e de 2015. Um selo especial foi tornado público na semana passada, para marcar o período, que terá ações coordenadas pela Comissão da Memória e Verdade da UFRJ.

Lançado justamente no dia 1º/4, data em que se completaram os 50 anos do golpe militar no país, o selo do Ano da Memória e Verdade da UFRJ, de acordo com a resolução nº03/2014 do Consuni, deverá constar em todos os cartazes, páginas da internet e meios de divulgação e comunicação em geral da universidade.

A decisão do Consuni referendou a medida aprovada na sessão de 18/3 do Conselho Superior de Coordenação Executiva (CSCE) da UFRJ e contribuirá para destacar, na universidade, diversas ações voltadas para discutir o período obscuro, de graves violações de direitos na sociedade brasileira e nas instituições universitárias.

De acordo com o coordenador da comissão, professor Carlos Vainer, a universidade não ficou incólume no período e sofreu com a perseguição a muitos de seus professores, pesquisadores, estudantes e servidores técnico-administrativos.

“Na UFRJ, muitos foram os estudantes assassinados e desaparecidos pelo brutal regime. Muitos foram os professores cassados e proibidos de ensinar e pesquisar”, informou. 

No documento que enviou ao CSCE propondo a criação do Ano da Memória e Verdade da UFRJ, Vainer assinalou que as heranças do regime são muitas e graves.

“O Estado brasileiro ainda não passou a limpo este período. Sobrevive uma inaceitável condescendência com os responsáveis por crimes de lesa-humanidade e se verifica leniência na eliminação dos resquícios do autoritarismo presentes em nosso aparato institucional (e.g. Lei de Segurança Nacional)”, diz a carta.

“Práticas abusivamente violentas do aparelho policial e policial-militar denunciam a herança perversa. Tortura-se e mata-se impunemente nas delegacias policias. O direito à livre manifestação e expressão sofre graves ameaças”, continua.

Atualmente, a Comissão da Memória e Verdade da UFRJ trabalha na investigação de documentos e relatos sobre o regime militar e sua relação com a universidade.

Com objetivo de esclarecer a história do período, as ações e atividades desenvolvidas pela comissão têm buscado identificar, publicizar e reparar violências e atentados ao saber e aos direitos dos cidadãos que viveram no período.

Fonte: Site Oficial da UFRJ

ufrjcarioca

Em 2015 a mui heróica Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro completa 450 anos. A UFRJ é parte desta história... pelo menos desde 1792, quando foi criada a Academia Militar, que daria origem à nossa Escola Politécnica. Em 1808 nasceu a Faculdade de Medicina, em 1816 a Escola de Belas Artes, em 1818 o Museu Nacional, em 1848 o Conservatório de Música, hoje Escola de Música.

Também o Rio de Janeiro é parte inseparável da vida e história da UFRJ. Ambas histórias e vidas se entrelaçam. Fomos Universidade do Brasil, somos uma Universidade Federal, mas estamos no passado e no presente da cidade... com nossos museus e prédios históricos, que inscrevem no espaço urbano a vida universitária e fazem da UFRJ guardiã de parte expressiva do patrimônio cultural do Rio; com nossos hospitais e outros serviços prestados à comunidade; com eventos científicos, culturais e artísticos. Sem falar das atividades de ensino, pesquisa, extensão, das assessorias a organizações governamentais e não governamentais, tudo contribui para tecer os laços de algo que é muito mais que uma vizinhança, uma coexistência, uma localização ou um endereço. SOMOS UMA UNIVERSIDADE CARIOCA, que vive e se engaja na cidade. Como se engajam e se engajaram na história política da cidade, em vários momentos decisivos da história da nação, os nossos estudantes : nas lutas pelo ingresso do Brasil na Segunda Guerra Mundial, pelo Petróleo é Nosso, contra a ditadura militar, por "Diretas já",  "Fora Collor" e, mais recentemente, nas Jornadas de Junho de 2013.

Por tudo isso, a UFRJ também se prepara para celebrar os 450 anos da cidade. Com esse objetivo, abrimos um canal de colaboração com o Comitê Rio 450, de modo a incorporar à programação oficial da cidade as atividades promovidas pela Universidade relativas à cidade e seu aniversário.

 Fonte: Site Oficial da UFRJ

  unnamed

A Universidade Federal do Rio de Janeiro completou ontem 96 anos de uma trajetória de lutas, mudanças e crescimento. Referência nacional em ensino, pesquisa e extensão nos diversos campos do conhecimento, a UFRJ participa ativamente da construção da história nacional.

Para celebrar mais esse aniversário, foi apresentada ao Conselho Universitário, hoje (8/9), a marca do programa A UFRJ faz 100 anos, iniciando a contagem regressiva para o centenário da Universidade em 2020.

Rogéria de Ipanema, coordenadora do programa, afirma que a construção diária da UFRJ é o principal destaque: “O ‘faz’ no título do programa é emblemático porque estamos caminhando para os 100 anos. Não se trata apenas de uma passagem, é uma vivência”. O programa A UFRJ faz 100 anos compreenderá mais de 15 eventos e projetos que serão usados para estimular a reflexão sobre a Universidade pela comunidade que a compõe. Segundo Ipanema, o programa busca “retirar o momento de apenas celebração para pensarmos e refletirmos o fazer 100 anos. Para falar, sensibilizar, se enxergar e se reconhecer no fazer a UFRJ”.

A marca do centenário já pode ser vista em alguns pontos da Cidade Universitária. O design e os diferentes usos a serem adotados foram pensados pela equipe do Laboratório Gráfico de Comunicação Visual (LabGraf) da Escola de Belas Artes (EBA/UFRJ). Para Marcus Dohmann, coordenador do Laboratório, a marca “dialoga bem com outros elementos gráficos da Universidade, como o brasão e os logotipos das escolas. Além disso, ela reflete a construção dos 100 anos, bloco a bloco”.

Outro aspecto presente na marca dos 100 anos é a pluralidade da UFRJ. “Dentro da sua identidade, ela pode assumir outras identidades. É a síntese do cubo mágico: os blocos se reorganizam com várias experimentações e possibilidades”, ressaltou Dohmann.

Muitos aniversários, uma universidade

Em 7/9/1920, o presidente Epitácio Pessoa assinou o decreto n° 14.343, que reuniu a Escola Politécnica e as faculdades de Medicina e Direito do Rio de Janeiro para formar a Universidade do Rio de Janeiro, lançando as bases do que viria a se tornar a maior instituição pública de ensino superior do Brasil.

Historicamente, as unidades fundadoras da UFRJ possuem mais de 100 anos. O curso mais antigo, iniciado na especialidade do Desenho de Engenharia, precursor da Escola Politécnica, fará 225 anos em 2017, ano em que a Faculdade Nacional de Direito completará 190 anos. Em 2018, será a Faculdade de Medicina, oriunda da antiga Escola Anatômica, Cirúrgica e Médica do Rio de Janeiro, completará 210 anos. A Escola de Belas Artes, de 1816, e o Museu Nacional, de 1818, também comemoram o bicentenário.

A UFRJ faz 100 anos é um evento de celebração aos vários aniversários existentes na Universidade, durante os próximos quatro anos, conforme ressalta Rogéria de Ipanema: “Os aniversários mais antigos e mais novos também fazem parte da história da UFRJ. As unidades, os cursos, as pessoas são parte do que faz os 100 anos. É o que a gente faz todo dia, do cotidiano ao extraordinário”.

Fonte: Site Oficial da UFRJ.

UFRJ SiBI - Divisão de Memória Institucional da UFRJ
Desenvolvido por: TIC/UFRJ